quarta-feira, 11 de agosto de 2010




As praças
Todas as praças
Voavam dentro da noite
Como mariposas fogosas,
Milhares de cegos,
Vagabundos
Mendigos
As estrelas choravam
Mas os homens insensíveis
Ao pranto do próprio
homem
Viravam as costas à dor
E um romançal trovador
Gritava na noite
Plena:
"Liberdade, Liberdade!"

Carlos Maia

Nenhum comentário:

Postar um comentário