domingo, 19 de setembro de 2010

CIRCUNSTÂNCIA



De ARMANDO ALVAREZ PRADO
Tradução de Antonio Miranda



1.

Abro a porta.

Fecho-a.



Não há porta.



Não há entrada.

Não tem saída.





2.

Chego, e digo.

Ninguém me entende.



Parto, e calo.

Ninguém me entende.



As palavras?

O silêncio?



Há outra alternativa?



3.

Uma coisa

e outra e outra.



Todas as coisas.



E eu perdido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário