quinta-feira, 23 de setembro de 2010

SOLIDÃO



De SANTIAGO RISSO



A solidão é um estrépito da onda

contra a beira da praia

vem e vai

em um vaivém incansável,

solidão se cultiva em solidão

cresce como erva

até tornar-se bosque indecifrável,

a solidão é areia movediça

que me arrasta ao profundo

um elo interminável

com o peso da vida



A solidão é saber teu nome

e não poder pronunciá-lo

estar aqui, lá como um deus

que cria e está só

um caranguejo na praia

caminha para trás

Nenhum comentário:

Postar um comentário