quinta-feira, 18 de novembro de 2010






O ENXADRISTA
Para Henrique Costa Mecking



Ele lançou sobre as peças,
Um último olhar em busca de esperança.
Contemplou pensativo seu adversário.
Finalmente ergueu seu rei,
Num movimento lento e triste,
E o deitou suavemente
Sobre o tabuleiro,
Como querendo adiar seu calvário.
Cumprimentou seu oponente
Em sinal de respeito.
Levantou-se
E, com a cabeça baixa,
Seguiu seu caminho.
De volta a sua cidade
Tratou de dizer aos camaradas:
- O tempo não ofuscou sua genialidade.
Mequinho continua Mequinho!


Tadeu Rocha



Nota: Na segunda foto Mequinho, aos 7 anos, enfrenta ao mesmo tempo 20 adversários. Teve seu auge no ano de 1977, quando foi considerado o terceiro melhor jogador do mundo, superado apenas por Anatoly Karpov e Viktor Korchnoi, tendo disputado com o último a final do torneio de candidatos. O enxadrista teve uma doença grave, a miastenia, que compromete seriamente o sistema nervoso e os músculos. A doença fez Mequinho abandonar as competições em 1978. Em 2000, ele voltou a jogar e até hoje é um dos melhores jogadores do País (nas partidas chamadas "relâmpago" ele é ainda insuperável em seu país). Mequinho é um gênio ainda pouco reverenciado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário