quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

CÉU NEGRO






É noite e a lua tarda em aparecer
As estrelas gritam no céu negro
E a lua ainda não apareceu.

O riacho que corre ao lado é podre
A vegetação é feia e silenciosa
A noite em si é mistério
E meus olhos ainda procuram a lua.

O céu negro provoca-me
Parece guardar tantos segredos
As estrelas teimam em falar de você
E meus pensamentos se confundem
Enquanto meus olhos contemplam a lua ausente.

A noite sem luar é perversa
O riacho podre corre com sacrifício
A vegetação não fala
O céu negro desapareceu
A magia da noite se perde na manhã
E quem aparece é o sol.


Tadeu Rocha

Nenhum comentário:

Postar um comentário