domingo, 26 de dezembro de 2010




Uma maior solidão
De Fernando Pessoa



Uma maior solidão
Lentamente se aproxima
Do meu triste coração.

Enevoa-se-me o ser
Como um olhar a cegar,
A cegar, a escurecer.

Jazo-me sem nexo, ou fim...
Tanto nada quis de nada,
Que hoje nada o quer de mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário