quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Poemas de Arnaldo Antunes






Olho o olho do outro,
penso o que ele pensa.

Voltar a mim é a minha
diferença.

Olho o olho até turvá-lo,
penso que ele não pensa.
Ir com a água é a minha
recompensa.


De Psia (1986)





Os sapatos ficam entre os pés

e o chão, no que são como as

palavras. As meias entre os pés

e os sapatos, como os adjetivos.

Os verbos, passos. Cadarços, lagos.

Os pés caminham lado a lado,

calcados. Sapatos são calcados.

Porque são e porque são usados.

Palavras são pedaços. Os pés

descalços caminham calados.


De 2 ou + corpos no mesmo espaço (1997)

Nenhum comentário:

Postar um comentário