quarta-feira, 30 de março de 2011




CONTRA TEMPO I


Eu achava que o tempo
Era apenas uma pista de mão única
Onde só regressavam os pensamentos
Nas asas da memória
Mas o tempo é bem mais do que isso
O tempo é um assassino corrosivo
O serial killer mais dissimulado

Tadeu Rocha

4 comentários:

  1. Estava fazendo a barba.Ouço aquela voz inconfndível: painho,vou pegar a condução do "culégio".It's not true.Era a mesma voz dizendo que ia pro estágio (dali pro trabalho.Volto ao espelho e penso "esse era eu!". Chego aqui e Tadeu me balança.Incisivo!

    ResponderExcluir
  2. João, vc não imagina a alegria de te encontrar aqui. Valeu demais tua visita. Tinha enviado a Arsênio 7 poemas para um novo livro. Como sei que iria demorar para publicá-lo, resolvi compartilhar no blog. São impressões sobre o tempo. Forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. Tadeu, não me sinto em condições de comentar teu poema. Li, reli. Abusei dele. Fiz as pazes. Teimei, insisti. O "Contra" batia com força na minha cabeça. Aí veio João mais uma vez clareando. E agora era o tempo de dormir, quando acordei.
    Teu livro "tempo" chegará em boa hora. 7 poemas para sete dias. Conta perfeita.
    Abraços.
    Magna

    ResponderExcluir
  4. Magna, curioso o fato de ter feito os 7 poema em uma semana. Vc acertou. Fiz o oitava nesta semana. Faltam vários. Como estou quebrando a cabeça com a monografia de economia (curso retornado após mais de uma década de abandono, sabia que iria demorar concluir. Por isso lanço aos poucos aqui. Contando com a generosidade dos amigos, que podem dar um desconto a esse poeta menor que sou. Valeu.

    ResponderExcluir