terça-feira, 29 de março de 2011




NA BOCA DO TEMPO


Há tempo que não escrevo um poema
Não pela ausência da inspiração
Mas pela ausência de mim mesmo
Sai de mim
Como quem abandona o automóvel
No meio do engarrafamento
E o que deixei
Foi uma mera sombra
Em meio ao turbilhão de buzinas
- Sinfonia do caos

Há tempo que não transbordo um poema
Ainda que esteja inundado de poesia
O tempo me consome
Como quem traga um cigarro
Eu sou o cigarro na boca do tempo
E a fumaça de minha existência
Abre as asas sobre a cidade
Do meu voo efêmero e solitário
Observo em algum lugar
Minha sombra deixar o carro

Tadeu Rocha

6 comentários:

  1. O bom é quando descobrimos que os poemas fazem pouco caso dos nossos dedos. Pouco importa para a poesia se a escrevemos ou não. Mentira. Importa sim, mas só um pouquinho, o suficiente para fazer o poeta escrever. Enquanto isso, ela sobrevive leve a pairar, flutuando como você, por entre os carros, as ruas, veredas dos bêbados e desenganados...alamedas dos mendigos e injustiçados de toda sorte. Depois ela paira faceira a acalentar a esperança no leite da mãe que amamenta e nos olhos do filho que dorme.
    Como é bom a gente se reconhecer nas letras que acabamos de mirar!
    Valeu, Tadeu. Eu também puxo um banquinho, melhor uma poltrona...se me demorar. Já vi lá do ladinho um amor chamado Gibran. Pouco sei dele, mas amo tudo o que sei(esta dá pra colocar num caminhão).
    Beijão.
    Magna
    Obs.:gostei muito do poema Pescaria, apresentado por Arsênio no Fusca. Lindo. Mais um poema, cujo o tempo atravessa nossa alma como este. Que bom que voltaste a escrever, ao menos, a publicar.

    ResponderExcluir
  2. Valeu pela visita e pelo seu comentário. Seja sempre bem vinda. Tinha começado um segundo livro. Mas resolvi divulgar os poemas que já ficaram prontos. Feliz tudo! E viva a poesia!!!

    ResponderExcluir
  3. Falei tanto que esqueci de dizer que este me lembrou algo que escrevi ano passado e nunca publiquei. Quem sabe agora eu tome coragem.

    ResponderExcluir
  4. De reflexo no Sementeiras, caí aqui na sua poesia, Tadeu! Parabéns, sua alma pulsa viva aqui.

    ResponderExcluir
  5. Valeu amigo. Através da poesia estou conhecendo gente da melhor qualidade. Seja sempre bem vindo.

    ResponderExcluir
  6. Muito bom, Tadeu! De volta e com bons poemas seus!!! Escrevi uns novos também... acho que as postagens entre 15 e 25 de março tem deles...! Um grande abraço!

    Paz e Bem! Axé!

    ResponderExcluir