sexta-feira, 6 de maio de 2011



O EU MAIOR
De Gibran Kahlil Gibran
(Texto gentilmente enviado por Magna Santos em março)


Isto veio a acontecer. Após a sua coroação, Nufsibaal, Rei de Biblos, se recolheu ao seu quarto de dormir - o próprio quarto que os três eremitas-mágicos da montanha tinham construído para ele. Tirou a coroa e os trajes reais, e ficou de pé no meio do quarto pensando em si mesmo, agora o todo-poderoso governante de Biblos.
Subitamente voltou-se; e viu um homem nu sair do espelho de prata que sua mãe lhe dera.
O Rei ficou assombrado, e gritou para o homem: "Que queres?"
E o homem nu respondeu: "Nada senão uma resposta: Por que te coroaram Rei?"
E o Rei respondeu: "Porque sou o homem mais nobre do reino."
Então, o homem nu disse: "Se fosses ainda mais nobre, não poderias ser Rei."
E o Rei disse: "Porque sou o homem mais poderoso, coroaram-me Rei."
E o homem nu disse: "Se fosses ainda mais poderoso, não poderias ser Rei."
Então o Rei disse: "Porque sou o homem mais sábio, coroaram-me Rei."
E o homem nu disse: "Se fosses ainda mais sábio, não escolherias ser Rei."
Então, o Rei caiu no chão e chorou amargamente.
O homem nu baixou a vista para ele. Depois, tomou a coroa e, com ternura, recolocou-a na fronte curvada do Rei.
E o homem nu, olhando amorosamente para o Rei, reentrou no espelho.
E o Rei se levantou, e olhou para a espelho. E só se viu a si próprio, coroado.

Um comentário:

  1. Beleza, Tadeu. Esta parábola merece mesmo ser divulgada. Que bom que pude contribuir.
    Há um tempo atrás, divulgando-a por email, uma amiga sincera me confessou não haver entendido. Explicar um poema é como quase tirar sua beleza, mas me arrisquei, deixando claro que era minha percepção e não, necessariamente, a do Gibran.
    Ouso deixar aqui no blog e compartilhar contigo o que apreendo deste poema, para mim, o mais belo dos que conheço.
    Abraços, amigo. Ando meio ausente dos meus blogs preferidos, por pura falta de computador. Arregar o do trabalho nem sempre é fácil.
    Aí vai a minha resposta para minha amiga (perdão pelo atrevimento):

    Como é uma parábola, creio que há uma variedade de entendimentos. O meu é mais ou menos assim: o homem nu que saiu do espelho, vejo como a sabedoria divina existente em cada um de nós, a nossa centelha divina cheia de sabedoria, mas que pouco ouvimos. Observe que o espelho foi dado pela mãe; quer figura para representar mais o amor do que a mãe? Pois bem, "o homem nu" vem pra lhe fazer questionamentos, como a nossa própria consciência nos faz de vez em quando, pois é Deus falando conosco. Enquanto as respostas do rei estavam na superfície, ou seja, nos valores materiais, o "homem nu" repetia que ele não era rei. Gostei da última resposta à última tentativa do rei que se dizia sábio: "Se fosses ainda mais sábio, não escolherias ser Rei.", nos falando, de outro jeito, da importância da humildade e simplicidade. Foi então que o rei chorou, porque se viu como realmente era, se entregou à sua consciência e foi aí que o homem nu o corou. Ou seja, em outras palavras: "Aquele que muito se eleva será rebaixado e aquele que se humilha será exaltado". Assim entendi, ou melhor, assim me chega ao coração. Para sermos "grandes" precisamos ser simples.

    Magna

    ResponderExcluir