sexta-feira, 6 de maio de 2011



Poema gentilmente enviado por Arsenio em abril:


"IRMANDADE

Sou homem: duro pouco
e é enorme a noite.
Mas olho para cima:
as estrelas escrevem.
Sem entender compreendo:
Também sou escritura
e neste mesmo instante
alguém me soletra."

Octavio Paz

4 comentários:

  1. Grande Tadeu, Trago para o seu blog - reduto de Poesia e bem-querer - esse petardo de Cassiano Ricardo.

    Com um abraço do Arsenio

    "NÃO SOU O HERÓI DO DIA

    Não sou o herói do dia.
    A vida me obrigou
    a comparecer, sem convite, ao banquete,
    em que me vejo, agora, erguendo a taça,
    não sei a quem.
    Soldado que lutou sem querer, por força
    do original pecado, e em cujo peito não fulgura,
    até hoje, nenhuma
    condecoração.

    Não sou o herói do dia. Passei pela vida
    como quem passa
    por um jardim público, onde há uma rosa proibida
    por edital.
    A rosa de ninguém, a rosa anónima
    que aparece jogada sobre o túmulo
    do desconhecido, todas as manhãs.

    É bem verdade que, em menino, eu possuía uma banda de música
    que tocava no circo, acompanhava enterro,
    que tomava parte em procissão de encontro
    e nos triunfos da legalidade.
    Hoje, porém, - pergunto -, onde o pitão, o bombardino, o saxofone, a flauta, a clarineta,
    os instrumentos todos
    dessa banda de música?
    Todos quebrados, os respectivos músicos caídos
    num só horizonte.
    Minha banda de música, se existe,
    é agora
    de homens descalços e instrumentos mudos.

    Não sou o herói do dia.

    Ah, o silêncio
    de alguns amigos que deviam falar e não falam.
    O grande silêncio
    da banda de música que devia tocar e não toca.
    O silêncio espantoso
    de quem devia estar gritando
    desesperadamente, e ficou quieto.
    E ficou quieto, sem explicação.
    Maestro, não é hora de tocar-se o hino nacional?

    Ah, positivamente,
    não sou o herói do dia...

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo,
    Adoro a poesia de Cassiano, de modo que receber um poema dele é um presente por demais precioso. Grato. Muito grato! A inquietude e o espírito criativo de Cassino Ricardo, a exemplo de Ferreira Gullar, Bandeira e Drummond, são uma fonte de eterna inspiração. Junte-se a eles os demais Andrades e João Cabral(dentre os brasileiros), Pessoa e Octavio Paz e tenho um banquete perfeito. Mas de sobremesa, bem que merecemos Saramago, Rilke, Maiakóvski....Não tem jeito, temos nossos prediletos, mas há muita gente boa para ser lida e relida; para se descobrir e redescobrir....eis a beleza da poesia. Feliz tudo irmão.

    ResponderExcluir
  3. *Cassiano (Cassino fica por conta do teclado...rsss)

    ResponderExcluir
  4. Tadeu, amigo: esse poema (NÃO SOU O HEROI DO DIA) quando o reli, acho que pela vigésima quinta vez, lembrei de você na hora.

    Sempre cultivei por Cassiano Ricardo um carinho especial e, na minha opinião, é um poeta injustiçado: aquela velha história, os grupinhos críticos da USP e etc não o perdoam pelo fato de um dia ele ter se deixado levar por Plínio Salgado, nos anos 30, por ter sido - temporariamente - integralista e etc.

    Essa gente patrulheira dissemina ignorância...
    Ora, Vinicius de Moraes também flertou com o Integralismo nessa mesmo período, ante da eclosão da 2ª grande Guerra.

    Mas com Vinicius, não tiveram como ofuscá-lo, pois o Poetinha assumiu e liderou duas vertentes na poesia em popularidade: a bossa nova e o próprio fazer poético, principalmente em seu livro "Poemas, Soneto e Baladas", seu melhor livro, fortemente influenciado por... Rilke. Nesse livro, escreveu um dos poemas mais belos da humanidade, que é o "Poema de Natal", cuja dicção é de acento nitidamente Rilkeana, e o próprio Vinicius escreveu inúmeras vezes sobre isso. Rilke foi o Poeta predileto dele, aliás. Dos internacionais.

    Dos nacionais, acho que ele tinha por Bandeira, Drummond, Murilo Mendes e Augusto Frederico Shmidt (que também o influenciou muito quando jovem, em sua 1ª fase como poeta, o jovem Vinicius metafísico, religioso, kkkk.... quem diria, hein... Uma figuraça, Vinicius de Moraes).

    Mas esse poema de Cassiano Ricardo, putz...
    Preciso escrever sobre Cassiano.
    Abração TADEU.
    FELIZ TUDO, MEU AMIGO

    ResponderExcluir