segunda-feira, 22 de agosto de 2011



Poema sem ré menor


Da noite recolheu-se a lua
Dos navios recolheram-se os canhões
Nos meus braços recolheu-se nua
A musa de minhas canções

Tadeu Rocha

PS do título: Segundo a Wikipédia, "como todas as tonalidades menores, a sensação principal é mais escura que a que correspondente à tonalidade maior. Desde a Antiguidade, esta tonalidade é reconhecida como a tonalidade da tristeza e pesar."

PS2: Retirou-se a lua. Ficaram as estrelas!

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Feliz Aniversário Arsênio

Cortar o tempo

Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias,
a que se deu o nome de ano,
foi um indivíduo genial.

Industrializou a esperança, fazendo-a funcionar no limite da exaustão.

Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos.
Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez, com outro número e outra vontade de acreditar que daqui pra diante vai ser diferente

Carlos Drummond de Andrade

quarta-feira, 3 de agosto de 2011



Alegria


A inspiração puxou a cadeira
E bebeu comigo
Sem olhar para o relógio
[Há tanto sentimento
Destilando dentro do peito]
- Que os outros poetas esperassem!

Há momentos
Em que a melancolia
Desiste de nossa companhia
- E surge como fênix a nossa alegria

A inspiração me sorriu
Ofertou-me mil versos
Eu sorri para a inspiração
Olhei para o meu filho
Recém-nascido
A inspiração entendeu
Beijou seus olhos
Tentou se despedir
- Mas não partiu

Tadeu Rocha

Belchior - Na Hora do Almoço

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Belchior - Divina Comédia Humana



Ouvir Estrelas
De Olavo Bilac



"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muitas vezes desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda a noite, enquanto
A via-láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas."


As Sem-razões do Amor
De Carlos Drummond de Andrade


Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça
e com amor não se paga.
Amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.
Eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.
Amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.