quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Poema de Murilo Mendes





Murilograma a Graciliano Ramos

1

Brabo. Olhofaca. Difícil.
Cacto já se humanizando,

Deriva de um solo sáfaro
Que não junta, antes retira,

Desacontece, desquer.

2

Funda o estilo à sua imagem:
Na tábua seca do livro

Nenhuma voluta inútil.
Rejeita qualquer lirismo.

Tachando a flor de feroz.

3

Tem desejos amarelos.
Quer amar, o sol ulula,

Leva o homem do deserto
(Graciliano-Fabiano)

Ao limite irrespirável.

4

Em dimensão de grandeza
Onde o conforto é vacante,

Seu passo trágico escreve
A épica real do BR

Que desintegrado explode.

(Roma, 1963)


Ps: A Primeira foto é de Murilo Mendes e a segunda de Graciliano Ramos

2 comentários:

  1. Belíssimo, Tadeu!!!
    Parabéns pela escolha!!!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Valeu meu amigo. Conte com minha presença na Jaqueira.

    ResponderExcluir