terça-feira, 3 de janeiro de 2012





Noite mágica

Abri meu contêiner de Pandora
Vi a liberdade do caos
E busquei equilíbrio na tormenta

Caminhei com passos curtos
Pelas ruas agitadas
Em noite de tempestade

Observei o corre-corre das pessoas
Em busca de abrigo
Enquanto meu corpo abrigava o dilúvio

Turbilhão de vozes e olhares
Questionando minha sanidade
E o temporal caminhou comigo

A pneumonia veio logo ao meu encontro
Preço de uma noite mágica
Valeu a pena?
A tempestade grita que sim
Eu também

Tadeu Rocha

Nenhum comentário:

Postar um comentário